Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Avaliação - Wolverine Nº62

50% 50% 
[ 1 ]
50% 50% 
[ 1 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
 
Total dos votos : 2

Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  leonardobento em Ter Fev 23 2010, 08:21



Sinopse: O Velho Logan e o Caveira Vermelha: como um plano simples deu muito errado. A traição de Daken, um Wolverine sombrio e uma ajuda muito especial de Nick Fury. O mutante canadense encara o submundo do kung fu em Chinatown. Depois do incidente com o parto de seu filho, Jamie Madrox, da X-Factor, encontra o pastor Madrox novamente.
(Wolverine 72, Wolverine: Origins 33, X-Factor 40, Wolverine: Manifest Destiny 2)
Revista mensal, formato americano, 100 páginas, papel Pisa-brite, R$ 7,95, distribuição nacional

Preview:
Spoiler:


























_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  leonardobento em Sex Fev 26 2010, 12:36

Wolverine: Sensacional. Que luta entre Logan e Caveira. A vingança pela morte da família dele será sangrenta. Coitada da gangue dos Hulk. O melhor é que a próxima edição de Old Man Logan tem o dobro de páginas.

Origins: Fury vai chamar o Logan para dar conta do Daken, que agora é um vingador e um x-man sombrio. As pontas quanto ao passado de Logan vão se fechando. História legal, mas a mais fraca da revista.

X-Factor: Começo bastante legal, com participação de Madrox e de sua cópia, o pastor Maddox. O Homem-Múltiplo veio andando de Detroit até lá, por 800 km, após o incidente com Siryn. Ele conta para o pastor sobre o que aconteceu com ele (uma cópia) no futuro e sobre a absorção do bebê de Theresa. Quando Madrox tenta se suicidar, uma freira aparece: é Layla, mais velha. Demais! Que pena que na próxima edição não teremos X-Factor.

Destino Manifesto: Logan leva uma surra e é salvo depois por Mestre Po. Só isso, mas os desenhos e o roteiro são muito bons.

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  leonardobento em Sex Mar 05 2010, 08:58

Marvel 616 escreveu:

Wolverine Origens: Protocolo Hudson

Após finalmente convencer seu filho de que era Romulus o verdadeiro assassino de sua mãe, Wolverine conseguiu por um curto espaço de tempo estar lado a lado de Daken e juntos tentaram achar mais pistas sobre o misteriosos assassino. Essa parceria entre pai e filho, no entanto, durou pouco e agora, como vimos em Reinado Sombrio 1, Daken se aliou a Norman Osborn tornando-se o “Wolverine” de seus Vingadores Sombrios. E isso foi o suficiente para que Nick Fury, após seu sensacional retorno, fosse até Logan saber mais sobre esse moleque.



Num bar, Logan e Fury se encontram. O ex-diretor da SHIELD é quem conta ao Wolverine que seu filho agora é um capacho de Norman Osborn e isso nada mais que arranca uma piadinha fraca da boca de Logan. Mas Nick quer saber mais e promete que se Wolverine falar tudo que sabe sobre Daken, receberá em troca informações cruciais sobre o Arma X e o envolvimento de Romulus.



As informações, claro, vieram de Cyber, que como vimos anteriormente também almeja sua vingança pessoal contra Romulus. Fury conta pra Wolverine que diferente do que se pensava, eles nunca financiaram o Arma X. O governo canadense não sabia de nada até ser acusado de desenvolver bioarmas. E para manter o sigilo de tudo, tanto o lado canadense quanto americano tiveram direito de usar os membros do Arma X enquanto lhes conviesse.

A ligação entre os Hudson com tudo é bastante evidente. O nome aparece várias vezes na vida do Wolverine - A companhia Baía do Hudson foi o lugar onde ele trabalhou assim que perdeu sua esposa indígena; O campo de treinamento militar onde ele e Cyber trabalhavam era comandado por um Hudson; Por fim, os Hudson foram o casal que encontraram Wolverine após os experimentos do Arma X e o colocaram no Departamento H.

Fury em rápidas palavras faz sua explicação da ligação Hudson que Wolverine desconhece. Frederil e Elias Hudson eram respectivamente o comandante do campo de treinamento militar e o dono da companhia Baía do Hudson. Os dois eram os últimos sobreviventes de uma vasta família que morreu em um acidente de navio em XIX. E eles tinham uma irmã – Elizabeth Hudson, mãe de James Howlett, o Wolverine.



As coincidências não param por aí. Elias morreu misteriosamente após a falência de sua empresa. Talvez, tenha se matado. Talvez, não. Frederick foi assassinado no próprio campo de treinamento (vítima de vocês já devem saber quem...) e esse seria o fim de uma linhagem de Hudson se eles fossem fieís a suas esposas.

Frederick na verdade teve uma amante que acabou tendo um filho bastardo com o mesmo nome do pai. E esse menino teve mais três filhos. O primeiro é Truett Hudson, que mais tarde tornou-se o “Professor” responsável pelo projeto Arma X. O segundo nasceu cego e mudo, criado pela mãe Bernice (que se suicidou pouco tempo depois). O terceiro é James Hudson, o Guardião da Tropa Alfa e amigo pessoal de Wolverine.



Fury é bem claro em sua teoria. Ele crê que a família Hudson foi usada como marionete por Romulus ao longo dos últimos anos. E isso inclui o próprio Wolverine, filho de uma Hudson, e seu filho, Daken. E o medo de Fury é que os planos de Romulus para criar a arma perfeita não tenham parado em Wolverine. Ele suspeita que Daken seja o próximo passo.

A arma X nasceu com o intuito de matar heróis. Assim, Daken poderia ser vítima de um plano para se criar uma nova arma, capaz de matar até mesmo a própria arma X. E nada mais lógico do que usar para tal uma arma capaz de facilmente por fim na vida do Wolverine.

A espada Muramasa vem imediatamente na cabeça de Logan. A arma está aos cuidados de Scott Summers, em São Francisco, mas o que impediria ela de ser capturada e usada para revestir os ossos de Daken como foi feito com ele no passado.

Wolverine pondera e vê que Fury está falando uma possibilidade real. E seu terror só aumenta quando faz uma ligação para São Francisco, na atual residência dos X-men e descobre que Scott foi atraído para uma armadilha. Com o intuito de por fim a ameaça do falso Wolverine de Osborn que poderia macular a imagem dos X-men, Summers acabou sendo atraído para uma armadilha.



E assim encerra-se essa edição. Ciclope, Míssil, Colossus, Noturno e Armadura mal sabem que na verdade o ataque surpresa a Daken é mais que esperado e que a arma que utilizariam para eliminá-lo é na verdade o grande alvo deste Wolverine Sombrio.

Esta edição que costa na revista 63 de Wolverine foi escrita por Daniel Way e desenhada por Doug Braithwaite.

Coveiro


_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  leonardobento em Seg Mar 08 2010, 14:06

Marvel 616 escreveu:

O Velho Logan: Ressurgindo dos mortos



Na última edição de Wolverine, o que era ruim conseguiu piorar. Em um mundo controlado por vilões, em que o envelhecido mutante Logan enterrou Wolverine fundo no passado e vivia uma aventura com o cego Clint Barton, outrora o Gavião Arqueiro (com os obscuros objetivos de recriar os Vingadores), apenas para salvar a próxima família, um desastre se abateu. Enganado pelos homens do presidente, o Caveira Vermelha, Clint foi morto e Logan fuzilado. Parece o fim. Mas vamos falar do começo.

Pelo menos do começo dessa era de devastação e vilania, que começou com o Caveira, com o Capitão América aos seus pés, cinquenta anos atrás, em uma Washington em chamas como vemos em Wolverine 63. Gabando-se da articulação de vilões que ele liderou, o velho nazista, sobre os últimos suspiros e pranto do sentinela da liberdade, revelando como seria o mundo dali em diante, assassinando-o em seguida.



De volta ao presente de nossa história, o presidente Caveira Vermelha vislumbra sua sala de troféus na nova Casa Branca. Restos de roupas e equipamentos (e mesmo dos corpos) de alguns dos maiores heróis que caminharam pela Terra e universo, com destaque, claro, para o escudo do Capitão América. E uma cena bizarra se desenha... o próprio Caveira, por cima de seu rosto cadavérico, usa a máscara manchada de sangue de seu maior inimigo, e seu uniforme.



Dando a si mesmo uma desculpa para tamanha bizarrice, ele recebe Tobias e os homens da SHIELD que sucederam no assassinato de Clint e na apreensão do soro do supersoldado. Após uma piada sobre ressurreições, sob uma bandeira retalhada do Quarteto Fantástico, os corpos de Barton e Logan são revelados aos olhos do vilão.

Após questionar porque alguns ainda insistem em ser heróis e parabenizar Tobias, o Caveira os libera. Mas logo uma surpresa é revelada. Aquele homem grisalho que teria sido morto com o Gavião Arqueiro já está quase plenamente curado, se levanta e rapidamente imobiliza todos os homens da sala menos o presidente, que ele diz ser o próximo. E o Caveira logo cumprimenta Logan, chamando-o de Wolverine, demonstrando certa surpresa, mas nenhum medo.



E, claro, a luta começa. O escárnio do vilão pela forma como o mutante se contém é apenas uma de suas armas no confronto, no qual parece levar vantagem. A sala de troféus vai sendo destruída, e o Caveira os tranca lá dentro porque quer a diversão de matar mais um herói com as próprias mãos. Porém, empunhando o escudo que já pertenceu a Steve Rogers e Bucky Barnes, Logan apara a espada usada pelo oponente, que por um momento se desespera por mais uma vez enfrentar aquele símbolo.



E é a distração suficiente para que Logan surre o velho monstro até imobilizá-lo no chão. Ainda desafiante, o Caveira duvida da coragem do mutante para fazer o que é preciso. Mas ele não hesita, e decepa sua cabeça com o escudo.



Mas ainda não acabou, pois os homens da segurança estão do lado de fora. Olhando ao redor, e com pouco tempo, Logan não duvida que a melhor opção é pedir ajuda a Tony Stark. Bem, ao que restou do legado de Tony, pelo menos. Veste o que restou de sua avariada velha armadura, detona o prédio e alguns soldados, escapando usando os sistemas propulsores, levando consigo o dinheiro do prêmio de Tobias.



Dirigindo-se sem escalas para a Sacramento, afinal precisa salvar sua família da ação da Gangue Hulk, Logan acaba desabando no deserto ainda a muitos quilômetros de casa. Abordado por alguns bandoleiros, logo se livra e começa a caminhar. Por um dia e meio ele caminha, e quando chega em casa as notícias não são nada boas.

Recebido por seu vizinho Donovan, Logan se anima por ver um rosto conhecido, pedindo para que ele avise a sua esposa que está indo pagar a dívida com os hulks. Porém, eles já passaram lá para cobrar dois dias antes. Mesmo duas semanas antes eles o fizeram. Dizendo-se entediados assassinaram brutalmente a esposa e os dois filhos do velho mutante.



Atônito, em silêncio, ele ouve a súplica de Donovan para que não revide, pois, se não, os outros moradores da região serão mortos da próxima vez. Sem resposta, ele chama por Logan mais uma vez. Mas com um olhar furioso ele diz não que aquele não é seu nome. Ejetando as garras pela primeira vez em mais de cinquenta anos, diz que seu nome é WOLVERINE!



Wolverine volta dos mortos, e não há nesse mundo um hulk que poderá detê-lo ou sobreviver a sua fúria.

João


_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  Ultimate_Avenger em Seg Mar 15 2010, 08:55

Minha avaliação:

Old Man Logan: excelente! O confronto com o Caveira Vermelha foi ótimo, respeitando a caracterização de décadas do velho Herr Schimdt. A sala de troféus é impressionante, assim como o poderior da Nova Babilônia. Logan roubando os restos da armadura Extremis é incrível. Agora, é só esperar pelo massacre dos Hulks. Mesmo que o roteiro não fosse bom, valeria pela arte de McNiven.

Wolverine Destino Manifesto: também excelente. A exploração dos antigos flmes de kung fu (que eu adoro) é magistral. O esquadrão da morte Dragão Negro tem poderes bem legais, e a batalha é brutal, como só Jason Aaron faz. Os personagem que evocam líderes místicos e dai los das Tríades são ótimos e casam muito bem com a Chinatown mais famosa do mundo. A arte do Segovia é muito boa.

X-Factor: se os dois últimos foram excelentes, este é excepcional. Junto com a última, uma das edições mais emocionantes do título até agora. Tudo é perfeito: a ação segura do pastor John em contraste com a conmstante insegurança e incapacidade de decidir de Jamie, o diálogo forte e carregado dos dois na igreja, e até mesmo a pequena revelação da paternidade de Daniel. É impressionante ver um Homem Múltiplo tão destruído (lembra o Jack no fim da 3ª temporada de Lost hehehe). Ponto para o Peter David, nunca pensei que ele conseguiria tornar o Madrox um dos meus personagens favoritos. E edição termina com um clímax gigantesco e espetacular: o retorno de Layla Miller. Quanto a arte, acho fenomenais os traços de Valentino DeLandro.

Origens: deixei o mais problemático pro final. A edição é bem contraditória. Ao mesmo tempo que é legal, bem situada na conversa de bar entre Fury e Wolverine, e revela muitas informações, não convence. Eu simplesmente não compro a idéia do Romulus. Ora, que solução mais ex machina criar um personagem que passou a vida manipulando a família Hudson (que, especialmente no que tange à mãe de Logan, ficou muito mal-enjambrada) e o mutante canadense. A situação da Arma X é pior ainda. O retcon do Way acaba com o retcon do Morrison, que até gostei. O mais grave da edição: a caracterização do Ciclope. Um cara que sai com uma das armas mais poderosas do mundo para "dar um aviso" em um cara que não acredito que almejava dar este golpe desde o início simplesmente não pode ser o mesmo gênio estrategista do resto do Universo X. Sei lá. A arte é o ponto forte.

Votei em Muito Legal porque a estranheza dessa edição de Origens infelizmente puxou o resto pra baixo.

Ultimate_Avenger
X-Men
X-Men

Mensagens : 307
Data de inscrição : 01/02/2010
Idade : 25
Localização : BH-MG

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  leonardobento em Qui Mar 18 2010, 20:04

Marvel 616 escreveu:

Wolverine: O Aventureiro do Bairro Proibido*



Já faz algum tempo que os X-Men se mudaram para São Francisco. Nesse meio tempo, nos foi mostrado como alguns dos heróis mutantes vem se adaptando a rotina da cidade. E dessa vez, vamos ver como Wolverine encara a nova residência, o que lhe obriga a encarar mais uma parte do seu passado. É o que veremos em Wolverine 62 e 63.

Bom, Logan está na nova base, recolhendo algumas de suas tralhas, ou, como ele mesmo define, as coisas que realmente lhe importam. E tudo se resume a uma caixa com algumas cervejas. Logan se define como um homem simples. Noturno se teletransporta para perto de Wolverine, reclamando que ajudar Henry dá muito trabalho. Logo em seguida, ao ver que o amigo não tem muitas coisas para remanejar, Kurt resolve ir para a sala de perigo, mas acaba derrubando um pacote. Desse pacote, aparece uma foto e uma ponte de uma lança. E mais uma vez, o passado volta para assombrar Wolverine. E esta é melhor hora para resolver isso.



Logan resolve ir dar um jeito nessa pendenga do passado. Para isso, pega um táxi e vai direto ao bairro de Chinatown. Wolverine fala que já conseguiu entrar no bairro sem ser visto, mas que dessa vez, ele quer ser muito bem visto. Um grupo de velhinhos o reconhece. É o sinal de que vem encrenca por ai.

Logan se anuncia e fala para avisar que ele está volta a Chinatown. Há algum tempo atrás (50 anos) Wolverine matou Lo Shang Cho. E pelo jeito, as pessoas que moram em Chinatown não estão muito satisfeitas com isso. Wolverine afirma que não quer encrenca, mas diz que podem encontrá-lo no bar.

Enquanto aprecia uma cerveja, um garoto que atende pelo nome de Yuen Yee fica pentelhando-o. Até que chega o pessoal que quer tirar satisfações com Logan. O que significa arranjar encrenca com toda a Chinatown. E começa aquele quebra pau que todos nós leitores de quadrinhos adoramos.



A situação fica tensa, o ponto de atrair quase todos os moradores de Chinatown. Inclusive atrai a atenção de dois mestres do Kung-fu, Mestre Su e Mestre Brown (Alguém já ouviu falar da revista deles???).

Wolverine, apesar das suas habilidades, aliadas ao seu poder mutante de cura, está tendo enormes dificuldades. Até que o líder do bando, Lo Jun, crava uma espada na garganta de Logan. Por pouco tempo. Um tiro tira o mestre da jogada. Uma ex-namorada de Wolverine aparece. E nessse momento, é que começa a encrenca.



Em Wolverine 63, a história já começa com um Logan perguntando para o leitor se já levou uma surra daquelas. Ou seja, o baixinho canadense levou um cacete daqueles. Mas vamos conferir de perto como foi isso.

O combate de Logan foi interrompido pela Dragão Negro, que alega ser uma ex-namorada do nosso amado baixinho. E parece que se trata de uma rixa que dura a mais de 50 anos. Wolverine insiste dizendo que não quer encrenca, mas a Dragão Negro não está preocupada com isso, e resolve jogar seu esquadrão da morte em cima dele.

Wolverine não tem chance. É golpeado de todas as formas possíveis. E sai praticamente morto do combate, só se mantendo vivo graças ao seu lendário fator de cura mutante. Logan só não é aniquilado porque a polícia chega, permitindo-o escapar.



No esgoto, Logan relembra que não é a primeira vez que isso acontece. Ele torce para que seu poder mutante de cura não falhe, pois gostaria de fazer várias coisas que ainda não pode fazer, como ver a Monalisa. Porém, nem tudo está perdido para Logan. Na superfície, a polícia tenta entender toda aquela situação esdrúxula, mas em vão.

A cena é cortada para um flashback, mostrando como Logan chegou a Chinatown, 50 anos atrás. E pelo jeito, a encrenca que Logan arranjou naquele bairro não foi nada pequena. Mas o flashback termina, dando a entender que Logan resolveu afrontar o poder constituído local (e o fez, já que ele matou Lo Shang Cho).

Logan acorda nos subterrâneos de Chinatown, onde reencontra o Mestre Po (po, não faço ideia quem seja.....) . O velho mestre avisa que o esquadrão da morte está a procura de Wolverine, que, impulsivo como sempre, resolve facilitar a vida dos seus perseguidores. Mas depois de levar uma bronca do Pai Mei de plantão, este resolve ensinar como Logan pode derrotar o Esquadrão da Morte da Dragão Negro.



E será que Logan conseguirá aprender a derrotar o esquadrão? Será que ele irá sobreviver ao treinamento de Mestre Po (po, tomara que sim...)? A mini, escrita por Jason Aaron e desenhada Stephen Segovia tem se mostrado muito boa. Vamos ver se o ritmo continua desse jeito.

Rafael Felga

* Bom, quem não viu esse filme, não deve ter assistido sessão da tarde...


_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  leonardobento em Seg Abr 05 2010, 20:14

Marvel 616 escreveu:

X-Factor: O Bom Pastor

Na última história tivemos um dos momentos mais emocionantes e surpreendentes do ano até o momento e, sinceramente, acredito que vai manter-se na lista até 2010 terminar. Algo tão bombástico não poderia ficar sem consequências e a partir de Wolverine nº63 começamos a acompanhá-las, junto com um esperado retorno.



O começo da história não tem nenhum dos membros do X-Factor, mas uma situação tensa envolvendo reféns em uma loja de conveniência. O assaltante, um confuso sujeito chamado Ronnie, só aceita conversar com um homem, o Pr.John Maddox, que prontamente atende o chamado, já que não perderia a oportunidade de ajudar uma ovelha desgarrada.

Alguém se lembra de John Maddox? Pois é, provando mais uma vez que está criando uma história consistente e que nada é por acaso, Peter David resgata o reverendo da época que Jamie Madrox estava em busca de suas cópias perdidas. Alguns questionaram porque o reverendo tinha um filho, já que o pequeno Sean, filho de Syrin, não passava de uma cópia. Chegou a hora de explicar isso.



Algo bem interessante é que Maddox é mais sereno e aparenta mais sabedoria, mas conserva algumas características do original, principalmente o humor. É bem legal vê-lo brincando com os policiais, quando diz que devem pedir desculpas para a freira que vai visitá-lo, caso não consiga sobreviver.

Dentro da loja, a situação está tensa. Ronnie não passa de um idiota ciumento, que causou toda essa confusão por não gostar da admiração que uma moça chamada Crystal sente por um certo Larry. Motivos banais, que poderiam resultar em uma tragédia. Maddox tenta acalmar o confuso rapaz, mas é a chegada de um homem ainda mais confuso que muda toda a situação.



Jamie, com uma aparência maltrapilha, diz que ninguém se importa com Ronnie, nem com os reféns, os policiais só não querem tiroteio para não ter que lidar com burocracia e a sujeira na loja. Armado, ele demonstra em melancias o tamanho do estrago que os tiros de Ronnie causariam e, com palavras, dá detalhes de como ficariam os ferimentos, o que acaba sendo a motivação final para o assaltante se render.

John explica aos policiais que um misterioso mendigo resolveu a situação, mas nenhum deles entende como o sujeito teria passado despercebido pelo cerco montado na loja. O reverendo responde que deveria ser alguém com treinamento ninja, recebendo um comentário um tanto incrédulo do policial. Com a crise resolvida, John vai para casa, sendo recepcionado por uma esposa preocupada e um filho entusiasmo pela coragem do pai.



No entanto, o pastor glorifica a Deus por tudo ter dado certo, indo orar em sua igreja, mesmo lugar para onde a freira que vai visitá-lo deveria ser encaminhada.

O pastor não chega nem a fazer sua oração, pois é interrompido pela chegada de Madrox. Este diz que veio a pé de Detroit, andando mais de mil quilômetros, com o objetivo de fugir e encarar sua cópia bem-sucedida e o próprio Deus que, segundo o mutante, dá a felicidade apenas para tirá-la.

Ele explica a origem do "M" em seu rosto, que está ligado diretamente ao fracasso em salvar Layla Miller, e deixa claro sua intenção de cometer suícidio, afinal nada bom dura para sempre e ele não aguentava mais ver as coisas boas se estragarem. Mas ele veio de tão longe apenas para que Maddox testemunhasse seu suícidio? Não, claro que não, a intenção de Jamie é revelar para sua cópia que Daniel não é seu verdadeiro filho.



Assim, ele conta toda a história envolvendo o nascimento de Sean, esclarecendo até uma dúvida que alguns fãs tiveram, pois se o bebê tivesse metade do DNA oriundo de Theresa, ele não seria uma cópia, mas uma pessoa. Esse é o questionamento que o pastor faz, no que Jamie explica que o bebê nunca foi uma pessoa realmente e que a presença uterina desse sósia convenceu o corpo de Syrin que a gravidez era verdadeira, algo que ocorreu com Monet também.

Nesse momento, lembrei que M também teve enjoos, já tinha até esquecido disso. Olha Peter David nos obrigando a lembrar e dar mais atenção aos detalhes. A diferença entre M e Syrin é que a mente da primeira é mais forte, causando um "aborto" que nem mesmo foi percebido.

Chega então a hora de Maddox revelar a origem de Daniel. Sim, ele não é filho biológico do pastor, mas ele já sabia disso. Sem dar muitos detalhes, fica meio óbvio que Maddox foi traído por sua esposa, mas que ele a perdoou e assumiu o garoto como seu próprio filho. Assim, ele mostra para Jamie que coisas boas acontecem, desde que se tenha paciência para enxergá-las. Madrox até concorda, mas diz que a sua paciência já se esgotou.



O pastor tenta vários argumentos para convencer Jamie a mudar de idéia, sem sucesso, até que parte para uma tentativa física, também frustrada. Madrox entende que sua cópia nunca pararia de tentar, porque ele mesmo era assim há algum tempo, porém embora John ainda seja Jamie, o contrário não ocorre mais.

O mutante coloca a arma na cabeça, e começa a fazer despedidas que não são ouvidas por ninguém, até que é interrompido pela tal freira que estava para chegar, que afirma que Jamie não vai se suicidar. Ele diz que agora aparece uma freira dizendo o que pensa que ele vai fazer, no que ela responde que não pensa, ela sabe. Como? Bem...



...porque ela sabe das coisas.

Com esse final, nem precisaria comentar muita coisa, mas eu não posso deixar de elogiar o trabalho de roteiro que Peter David está fazendo. Essa atenção aos detalhes é algo, sem sombra de dúvida, coisa de gênio. É uma pena que X-Factor é um título tão periférico, pois o autor merecia ser lembrado em qualquer lista de melhores do ano.

Que sua passagem no título dure ainda muito tempo e que possa escrever outros.

Eddie

P.S. titulo do artigo tirado de João 10:11 "Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas."


_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Wolverine Nº63 (Fevereiro/2010)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum