X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Avaliação - X-Men Nº 100

0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
100% 100% 
[ 1 ]
0% 0% 
[ 0 ]
0% 0% 
[ 0 ]
 
Total dos votos : 1

X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Qua Abr 07 2010, 21:37

Sinopse: Enquanto Xavier tenta ajudar a mesma Perigo que arquitetava destruí-lo, Vampira precisa encarar o seu próprio passado para sobreviver. Passado e o presente se misturam nas últimas histórias dos Jovens X-Men e a revelação de quem é Cifra.
(X-Men: Legacy 223 e 224, X-Men Divided We Stand 2, X-Men: Manifest Destiny 1, Young X-Men 10 a 12)
Revista mensal, formato americano, 148 páginas, papel Pisa-brite, R$ 14,90, distribuição nacional. Edição comemorativa com pôster exclusivo.



Preview:

Spoiler:


































Última edição por leonardobento em Seg Abr 26 2010, 22:20, editado 1 vez(es)

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  Joao Roberto da Costa em Qui Abr 22 2010, 08:47

É impressionante justamente na edição 100 o atraso come solto.
avatar
Joao Roberto da Costa
X-Men
X-Men

Mensagens : 225
Data de inscrição : 16/01/2010
Idade : 43
Localização : Douradina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Qui Abr 22 2010, 09:21

Joao Roberto da Costa escreveu:É impressionante justamente na edição 100 o atraso come solto.

São as figurinhas e a lombada quadrada. Duas coisas que fazem a Panini sempre atrasar.

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  Joao Roberto da Costa em Qui Abr 22 2010, 13:09

A boa notícia é que x-men e x-men extra 100 chegaram na liga hq, então deve estar chegando nas bancas também, na semana que vem os dois chegam aqui em casa.
avatar
Joao Roberto da Costa
X-Men
X-Men

Mensagens : 225
Data de inscrição : 16/01/2010
Idade : 43
Localização : Douradina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Qui Abr 22 2010, 22:07

Joao Roberto da Costa escreveu:A boa notícia é que x-men e x-men extra 100 chegaram na liga hq, então deve estar chegando nas bancas também, na semana que vem os dois chegam aqui em casa.

Que boa notícia!

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Seg Abr 26 2010, 22:20

Voto em Fraca.

Não foi uma boa escolha para a edição 100 acabar com Jovens X-Men. São 75 páginas sofríveis, principalmente o arco final. O Guggenheim realmente conseguiu escrever um ano de péssimas histórias.

Como já tinha dito na edição passada, acho que esse é o pior arco de Carey à frente de X-Men Legado. A inserção desses Shiars acabou deixando a revista um pouco confusa e o final foi muito bobo: foram anos que a Vampira ficou lutando a respeito de seus poderes e agora acabou... e não foi de uma forma memorável.

As historinhas de back-up foram as de que mais gostei. Boa a moral da discussão entre Faísca e Dani, e também da história da Karma; a da Dinamite foi legal, apesar dos desenhos; a do Graymalkin foi bastante "ativista".

Pelo que sai em X-Men Extra, senti falta da melhor história que saiu em Destino Manifesto: a da Emma, que não está no preview de nenhuma das duas. Espero que a Panini a publique.

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Dom Maio 09 2010, 16:20

Marvel 616 escreveu:

Jovens X-men: Revelações Finais



Desde sua formação, os Jovens X-Men passaram por uma turbulenta trajetória. Seu primeiro mentor os enganou. Lobinho, um de seus colegas, foi assassinado. Eric Gitter, o Tatuado, descobriu que não é mutante, e agora possui uma tatuagem que lhe concede um poder próximo da Força Fênix. Soraya Qadir, a Pó, descobriu que está morrendo, e encontrou um confidente inesperado no perigoso Donald Pierce. Não bastasse tudo isso, duas figuras misteriosas se juntaram à equipe. Cedo ou tarde, é impossível não buscar respostas para as perguntas e alívio para as tensões – é o que veremos aqui.

No caso de Jonas Graymalkin, sabia-se apenas que o mutante de aparência adolescente está na verdade na casa das centenas de anos de idade e que seu dom mutante, que se manifesta apenas na escuridão, preservou e prolongou seu ciclo vital nos séculos em que permaneceu enterrado no território do Instituto Xavier – mas como ele parou lá?



Graymalkin conta a verdade para seu novo parceiro e amigo Anole: nascido e criado numa época em que o Império Britânico ainda cobrava impostos dos cidadãos colonizadores da América do Norte, Jonas foi brutalmente espancado por seu pai e enterrado vivo. O motivo: preconceito. Mas não por Graymalkin ser mutante, e sim por ser gay. Felizmente, como Victor conta para seu amigo, a mentalidade dos tempos modernos é outra, e mesmo que ainda existam preconceitos, Graymalkin não tem motivos para se esconder ou se envergonhar.



A enigmática Cifra é outra cujos segredos apenas agora são descobertos. E acreditem, vocês já viram ela antes – mesmo que não tivessem notado. Descoberta por Jean Grey durante um manifesto antimutante, a jovem Alisa Tager foi levada ao Instituto Xavier, em segredo de todos – ou quase todos. Ocorre que a nova Cifra pode ficar invisível, intangível e praticamente indetectável psiquicamente; a agente de infiltração perfeita para Ciclope. Ou seja, só se sabe que ela existe se ela quiser.



O problema é: ela quis. Era Cifra que falava com a ex-Jovem X-Man Olhos Vendados nas ocasiões em que Ruth parecia falar sozinha. O mesmo ocorreu no caso de Graymalkin, o qual Cifra resgatou dos escombros da Mansão X após os eventos de Complexo de Messias e incentivou a atacar Pierce quando ele se passava por Scott. Foi ela quem, na primeira missão dos Jovens X-Men, nocauteou Danielle Moonstar.



Obviamente, os Jovens X-Men – e a equipe sênior também – não ficaram nada felizes em saber que sua privacidade poderia estar sendo violada a qualquer instante, sem que eles sequer soubessem de sua existência. Cifra, por sua vez, teme a sensação de ser conhecida e reconhecida, sem a proteção do anonimato. Mas a vontade de sair do isolamento e se integrar falou mais alto: Jovens X-Men, deem as boas vindas para sua nova parceira.

Mas enquanto todos se preocupam com o novo poder do Tatuado e com a existência da Cifra, apenas Fera sabe da degradação celular de Pó. Hank estima que Soraya tenha cerca de uma semana de vida, mas longe do cientista, ela conversa com Pierce e o vilão garante que pode salvar sua vida. Basta que ela o liberte.



Então, temos uma visão do futuro. Quatro dos cinco mutantes sobreviventes no mundo fogem de sentinelas avançados, criados por... Donald Pierce. Apesar das dificuldades, Anole, Graymalkin, Coração de Diamante (também conhecida como Emma Frost) e Wolverine escapam da ameaça e voltam para seu lar, onde repousa um debilitado e incomunicável Tatuado.



No presente, Pó aceita a proposta e liberta Pierce, levando-o para o hangar do novo lar dos X-Men. Lá, os dois são surpreendidos pela equipe sênior. Soraya revela que acredita nas promessas de Pierce... mas nunca feriria seus amigos para se salvar. Usando seu poder, ela emite uma rajada de areia que arranca o rosto sintético de Pierce, revelando seu verdadeiro aspecto, e a batalha começa. Com a chegada dos Jovens X-Men, Pierce é detido, mas é tarde demais para Pó: fatigada pelo esforço e pela doença, Soraya morre.



No futuro, vale lembrar, eu mencionei que quatro dos cinco mutantes sobreviventes lutavam. Tatuado não estava com eles, mas vale lembrar: Tatuado não é mutante. Quem seria o quinto elemento? A dura resposta vem, quando Wolverine, Anole, Graymalkin e Coração de Diamante são mortos por... Pó! A jovem parece ter se tornado uma nova Fênix Negra (nas sábias palavras de Psylocke na Dinastia M: “Ah, pelo amor de Deus! Será que tudo precisa ter a ver com aquele maldito pássaro?!”) – mas como ela voltou dos mortos?



No presente, enquanto Anole, Graymalkin e Pedreira pensam em desistir da vida de X-Men, Tatuado mostra um raro momento de compaixão pela colega falecida. Ele considera que ela merece viver mais que ele, e se sua tatuagem de caduceu não pôde salvá-la, talvez a da Fênix possa.

No futuro, Pó reencontra Tatuado. Ele afirma que sua intenção foi salvá-la, mas ela diz que sua ação matou o que ela tinha de melhor e corrompeu sua alma. Cheia de ódio, no futuro, Soraya mata Eric.



Cheio de boas intenções, no presente, Eric ressuscita e cura Soraya com sua tatuagem da Fênix (que, segundo o Fera, não tem realmente o poder da Fênix, mas sim algo novo), entrando numa espécie de coma logo depois. Não que isso pareça incomodar seus colegas, que vibram com a volta de Pó.



Mas não há tempo para comemorações, pois os NEO (alguém ainda lembra deles?) estão a caminho de São Francisco. O título dos Jovens X-Men acaba aqui, mas pelo jeito as aventuras continuam...



Jovens X-Men, na minha opinião, foi uma série fraca, com roteiros confusos, arte irregular e explicações mirabolantes. Mas por mais contraditório que pareça, eu me afeiçoei a todos esses adolescentes. Apesar da relação de amor e ódio, é uma série da qual eu sentirei falta.

Fernando Saker


_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Sex Maio 14 2010, 09:06

Marvel 616 escreveu:

X-Men Destino Manifesto: Nova Chance

Na nada menos que sua centésima edição da revista X-Men, a Panini começa a nos trazer as histórias especiais da fase Destino Manifesto. No mesmo molde da série anterior, Divididos Lutaremos, estas histórias mostram a adaptação de alguns mutantes em especial a seu novo lar em São Francisco e ao novo momento de suas vidas. Confira a seguir.



A primeira história, escrita por C. B. Cebulski e desenhada por David LaFuente, se chama O Sol Também Se Põe e é, na verdade, uma parte atrasada de Divididos Lutaremos. Sendo assim, se passa no pós-Complexo de Messias, quando os X-Men estavam oficialmente acabados.

Danielle Moonstar toma café tranquilamente no fim da tarde em seu lar no Colorado, mas só até sua porta ser estourada pela antiga aluna Faísca que, muito agitada, diz que não sabia o que fazer e por isso foi até ali, pois precisa de ajuda, antes de desmaiar rapidamente. Ao acordar na manhã seguinte, a menina explica que não consegue conviver com a culpa de não ter podido manter sua equipe, os Novos X-Men, unida. As duas saem para uma caminhada, que Danielle acredita ser um bom jeito de espairecer, e lá Noriko explica a sua frustração. Não importa o fato de terem vencido os vilões, pois parece que as vitórias nunca são completas para os X-Men.



Faísca conta que se sente vazia, como quando se drogava para aliviar a dor causada por seus poderes, antes de ir para a Mansão X. Hoje, ela não precisa mais de remédios, mas aprendeu, ao ver o ônibus de seus colegas explodir pouco depois do Dia M, que não dá para acabar com a dor, apenas escondê-la. Desde então, passou a agir com medo de sofrer, machucando os outros antes que eles pudessem machucá-la e se afastando de qualquer um que pudesse fazê-la sofrer. Mas a dor sempre venceu, e agora que Julian Keller foi gravemente ferido por causa de outra de suas decisões, não restam dúvidas disso.

Moonstar responde, brincando que a menina não deve pensar que pode monopolizar a dor. Faísca não é a única levada aos limites pelos poderes. Ela explica que o sofrimento sempre nos persegue, tirando tudo o que mais importa, chegando a nos controlar e levar a atitudes inimagináveis. Mas, no final, é a dor que nos fortalece. Graças a essa energia que encontramos em nós mesmo, aprendemos a lidar com o que o mundo tem de pior. Ashida se incomoda com o que considera uma resposta batida, mas Danielle continua explicando que não é errado ferir alguém de tempos em tempos e, mesmo que a dor sempre nos acompanhe, não devemos ter medo de usar isso para atingir nossos objetivos.



Concluindo, Miragem mostra a belíssima paisagem do Colorado que sempre a ajuda a superar os desafios e conta que, da forma que vê, a dor é o caminho da cura, conforme seu povo sempre acreditou. O bem convive com o mal e a morte com a vida. Não importa o que aconteça, ela sabe que o sol nascerá na manhã seguinte, lhe dando outra chance. Noriko agradece a tentativa de Danielle, mas a lembra de uma coisa: o sol também se põe.



O clima mais denso e delicado da história anterior é chutado junto com a porta de uma loja por Tabitha Smith, quando ela termina suas compras ali. Agora sim estamos em Destino Manifesto, onde o roteirista Ames Asmus e o desenhista Chris Burnham nos trazem uma história estrelada por ela, a Fusão, ou Dinamite. Enquanto anda pelas ruas de São Francisco carregando várias bolsas de compra, ela pensa consigo que está feliz por ajudar na nova escola, conhecer aquela cidade e poder aproveitar a liquidação que aproveita no momento.



O problema logo surge: uma super-assaltante chamada Nuwa cruza seu caminho após roubar uma loja e, após se livrar de um ataque da mutante, a põe para dormir com seu poder. Mais tarde, no QG dos X-Men, o Fera escuta as furiosas reclamações de Tabitha. Entre elas, a moça reclama que “Nuwa” não significa nada, o que não dá pistas sobre os poderes da vilã, algo bem diferente de um nome como Magneto. O dr. McCoy teoriza que o nome pode significar algo, e sugere uma pesquisa. Após uma breve relutância, a Srta. Smith termina no computador do laboratório e encontra a criminosa num site de relacionamento, onde a moça releva até mesmo seus poderes de sedação (capacidade de sedar outras pessoas, deixá-las sonolentas).

Em uma cena muito divertida que vale a pena descrever, Tabby descobre algo ainda pior: a vilã possui mais amigos virtuais que ela. Hank desdenha, não crendo que algo tão superficial seja medida de valor de alguém. Em seguida, a moça mostra que alguém fez uma página para o Fera, e o rosto dele se ilumina ao perguntar “Quantos amigos eu tenho?”



A seguir, Tabitha sai para servir de isca fazendo compras – situação na qual só poderia sair ganhando, não deixa de relembrar. Encontrando Nuwa rapidamente, ela consegue driblar seus poderes com... café!

Agora Dinamite entende o porquê de nunca ter ouvido falar da mulher antes, já que uma supervilã cujos poderes são inibidos pelo uso de cafeína não há de ser promissora. Constatando que a criminosa não faz ideia de como vencê-la, Tabitha faz sua investida final, citando motivos para cada um de seus ataques à Nuwa. O primeiro é por tê-la derrotado com um poder meia-boca, o segundo por ser tão burra a ponto de pôr informação pessoal importante na internet e o terceiro e último por ter mais amigos virtuais que ela. Tabby conclui que adora pesquisar.



Uma história de comédia que chega a parecer boba a princípio, mas se prova de grande qualidade, resgatando, ainda, uma mutante muito carismática que andava sumida do universo X – tendo sido membro da Nova Onda há pouco tempo. Isso nos lembra por que é uma pena o destino súbito e meio sem sentido dado à moça por Kyle e Yost recentemente na série da X-Force.

Karma é nossa próxima protagonista, através do roteiro de C. B. Cebulski e arte de David Yardin. Ela conta, em monólogo, que se orgulha de estar em constante controle de tudo a seu redor. Não gosta quando as coisas saem dos eixos, o que é compreensível se considerar do que ela é capaz e o que já viveu. Quando perde o controle, coisas ruins acontecem.



Ela pensa nisso enquanto tenta, em vão, dominar a mente de Emma Frost, num exercício proposto pela própria Rainha Branca. Pedindo-a para aceitar que é fraca, Emma explica que ela possui um dos maiores poderes mutantes do planeta e que, embora não esteja satisfeita com isso, previu o desequilíbrio da moça. A telepata finaliza dizendo que esperava de alguém capaz de comandar mentes alheias maior domínio sobre as próprias emoções e a própria vida.

Esta última afirmação irrita Shan, que pensa nela mais tarde, quando vai buscar os irmãos Leong e Nga, toda a família que lhe resta, na escola onde estudam. Ela conta que, quando criança, jurou que ninguém lhe obrigaria a fazer nada depois que crescesse. Foi para São Francisco por que quis e, embora alguns mutantes possam se sentir deslocados na cidade nova, não é o caso dela, que se recusa a ser uma refugiada de novo. Ali, pode conviver com seu povo, sua família, seus irmãos gêmeos que cria desde que teve de matar seu irmão perverso Tran. Eles têm um ao outro e isso basta, além de que se criar gêmeos não for uma lição de autocontrole, ela não sabe o que seria.

Hoje ela tem, certamente, domínio sobre sua vida. Na juventude, foi a mais centrada entre os amigos, na maioria das vezes e, mesmo nos piores momentos, onde quase chegou a perder as esperanças, recuperou o autocontrole e o usou a seu favor. Sua presença trazia estabilidade. Vendo uma foto dela junto de Kitty Pryde, Shan tenta se perguntar se, caso estivesse com ela, a amiga teria tido um destino diferente, mas não completa a frase nem contém as lágrimas.

Neste momento, seus irmãos a encontram na sala, preocupados com suas lágrimas. Ao verem a foto da “tia Kitty”, sentem saudades e ficam animados ao imaginar que ela pode ir visitá-los – o que deixa subentendido que eles não sabem o que houve com ela.

Karma diz que Pryde não irá visitá-los e que já passou da hora de eles estarem dormindo. Gritando e pulando no sofá em uma bagunça típica de crianças de sua idade, os dois dizem que Kitty assistia TV até tarde com eles e que a querem ali. Dada a tensão da situação, Shan se irrita profundamente e usa seus poderes nos irmãos enquanto grita que é ela que está no controle ali. É quando relembra o que Emma Frost lhe disse e, espantada, liberta as crianças de seu domínio.



Pedindo perdão aos dois, ela admite para si que não aguentou, se deixou levar pela emoção, perdeu o controle. Mas ela não é assim, passou dos limites, é fraca. Conclui que precisa se reequilibrar, dominar seus poderes, suas emoções, sua vida.

Além destas três, temos ainda uma história estrelada pelo Jovem X-Man Graymalkin da qual o Fernando já falou aqui no site. A julgar por estes exemplos, podemos ter boas expectativas para estes especiais, que até aqui demonstraram grande qualidade. Fique ligado, pois logo eu volto para falar das outras histórias da série já publicadas por aqui em X-Men Extra 100. Até lá!

Léo

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Sex Maio 14 2010, 09:10

Marvel 616 escreveu:

X-Men Legado: "So, kiss me"

Saber o que se passa na mente de alguém não é fácil. A mente de alguém que absorveu outras milhões de mentes então, nem se fala. E é na mente de Vampira que continuamos a história sobre como Perigo tentou se vingar de Charles Xavier. Porém, a história ainda tem muita coisa para acontecer e muitas resoluções para mostrar. Essa é a história que as meninas que torcem para a heroína esperam ver faz 20 anos...



Enquanto o professor Xavier está tentando resolver o mistério de como Perigo está causando tudo aquilo que vimos desde a edição passada, Vampira está pagando pra ver o que a “máquina” estava tramando ao fazer Cody chamá-la para uma caverna. Ela passa por espelhos com imagens de diversas versões dela mesma até se deparar com o reflexo de Carol Danvers, do qual ela achava já ter se livrado. O reflexo pula para fora em uma versão “zumbi” de Miss Marvel querendo acertar as contas. A X-man sabe que aquilo é uma ilusão, mas sabe que da mesma forma que a sala de perigo original, a ilusão pode até matá-la. No meio da luta, ela encontra a ilusão de Magneto, com quem teve um relacionamento anos atrás na Terra Selvagem. Depois do breve “DR” (discutindo a relação, para os leigos) com a ilusão de Magnus, a briga continua e é o “ex-namorado” que diz as palavras sábias de que ela deve conhecer o inimigo não importa o rosto que ele use.

O inimigo é mesmo as memórias alheias e culpas que ela ainda sente por cada uma delas. Porém, quando a ilusão assume a forma de Mística, Vampira percebe que o programa está um pouco desatualizado já que ela está com a mãe adotiva na cabeça devido a última vez que a tocou e, como ela mesmo diz, tira a coleiras às vezes. Derrotada a ilusão de sua mãe, “Magnus” a aconselha a tomar o último passo: ser livre.



Enquanto tudo isso acontece, Xavier e Gambit estão com a tropa shiar tentando conter o estrago causado em perigo que se descontrolou depois da tentativa de captura dos extra-terrestres que desfez a programaçõ final da criatura onde ela se dava o livre-arbítrio. Mas Xavier tem um plano. Ele acha que acessando o sistema operacional do controle central dela ele poderia restaurá-la. Segundo ele, existem uma série de pontos de entrada alternativos para casos assim, mas, neste caso, essas portas de acesso são ativadas telepaticamente, basta ao professor visualizar o comando na mente. E é assim que acontece: Ele pensa o código e uma porta (uma porta mesmo) se “materializa” em sua frente. Ele prossegue recusando qualquer ajuda, como todas as coisas que ele vêm “arrumando” desde que perdeu a memória, esta ele também deve fazer sozinho.

Ele se encontra com perigo e a conversa entre os dois tem tom de muita mágoa, mas também de muita explicação. Perigo conta como calculou a trajetória do arrependimento de Charles e sabia que em algum momento estaria tentando se redimir com Vampira, sua intenção não era matá-lo, mas fazer com que Vampira absorvesse os poderes dele. O professor conta, então, como começou a perceber que ela não era apenas uma tecnologia de programação, que ela pensava e que os shiars asseguraram que isto era impossível. Porém, ele sentia a consciência nela, sentia pura emoção. Ele começou a tentar entender. O que a mantinha presa era sua mesma natureza: programas de computador. Ela era a primeira de uma nova espécie, ele não sabia se podia ter cautela, como saber se ela não usaria todo o conhecimento sobre seus x-men contra eles??



Perigo não aceita a explicação e diz que ele a observou sofrer, mas ele responde dizendo que veio fazer o certo e acabar com a agonia dela. Dito isto, voltamos a ver Gambit e a tropa esperando a resolução dos acontecimentos e Cavalo (um dos shiars) dizendo que a qualquer momento a falta de suas pílulas de alegria (açúcar) causará algo catastrófico. Xavier retorna no lugar da porta e com a simples frase “encerrar programa” faz as ilusões sumirem. Ele diz que a sala de perigo está novamente funcional, respondendo aos seus comandos.

Mas, nem tudo é perfeito e, quando Charles está prestes a recuperar perigo dizendo uma sequência de acesso, os shiars resolvem levar ela e o próprio professor que valeria grande recompensa depois de tudo que já causou no reino dos shiars, afinal aquela tropa é apenas um bando de mercenários. Mas Gambit não tem medo de ladrões e reage. Tudo vira uma grande batalha com perigo e Xavier desacordados. Mas a cavalaria sempre chega e, desta vez, ela vem na forma da nave shiar sendo controlada por Vampira. Ok, não tão bem controlada já que a moça não consegue desvendar como atirar e logo se vê frente a frente com os alienígenas e é nocauteada.

Por sorte, na bagunça toda, se esqueceram de Charles e Perigo e ele acorda conseguindo rapidamente pronunciar o código libertando a criatura. Ela, agora consciente, não vai deixar qualquer um a escravizar de novo e ataca os shiars fazendo com que eles fujam. Ela cauteriza os ferimentos de Xavier mostrando que não pretende mais fazê-los mal e todos conversam em torno de uma fogueira a noite. O assunto são os poderes de Vampira, porque Xavier nunca foi capaz de ajudá-la. Perigo ajuda contando o que aconteceu com Vampira desde o momento que seus poderes se manifestaram (ela deve saber ago depois de viver a vida da moça de uma vez só).



Segundo a criatura, os poderes da x-man se manifestaram de forma involuntária antes que ela estivesse pronta e o choque a fez bloquear qualquer desenvolvimento que eles pudessem adquirir. Ela explica que todas as ilusões que apareceram são os ecos que ficam na mente de Anna. Como se existissem muros e de um lado ficassem os pensamentos dela e do outro das pessoas que tocou, criando uma mente completamente fragmentada. Essa muralha obstruiu o desenvolvimento dos poderes dela o deixando num estágio inicial, sem controle. E Xavier, sabendo disto agora, diz que pode, mais uma vez, tentar ajudar. Ela aceita e eles começam o processo.

Ele começa a viajar na mente dela e observa diversas imagens do passado, ele pretende destruir as divisões e reintegrar a mente dela para que ela possa desenvolver o seu poder. Contudo, a maioria das “pessoas” ali são resquícios psíquicos, já vazios desde que a x-man tocou a messias mutante, explica ele, mas um deles continua habitado. Sim, a pessoa que ela tocou depois disso foi Mística e a parte da mente dela na mente de sua filha vai lutar para continuar lá. Mas a vitória de Charles é inevitável e ele coloca fim àquilo. A mente de Vampira sofre com isso e ela entra em estado de descanso. Ela dorme e só vai acordar quando se recuperar.



Ela acorda depois de dias com Remy ao seu lado (como o fez o tempo inteiro). Ela diz que está diferente, a mente em silêncio e a pele formiga, quase queima. Ele se oferece para que ela teste, mas ela não quer arriscar ter mais nenhum pensamento além do próprio neste momento. Xavier diz que nada deu errado e que ela não sabe como é pois nunca controlou seus poderes, só irá saber se tentar. Ela não sabe como, e então passa um certo tempo meditando. Depois disso, ela pergunta se Gambit ainda aceita ser sua cobaia e a resposta é bem óbvia. Aquilo que as adolescentes de 10 anos atrás até hoje sempre esperaram se realiza: eles e beijam e nada acontece. Parece que funcionou.

Apesar disso, muita coisa aconteceu com ela e ela não está pronta para resolver assuntos sentimentais agora. Ele entende e diz que esperará isso acontecer. Perigo e Charles observam os dois de longe parece que outra parceria boa ali se forma e tudo termina em um belo por do sol no clima de final feliz, só resta saber se serão “felizes para sempre”.



ps. O título é parte da música "Kiss me" de Sixpence None The Richer

Cammy

_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  leonardobento em Sab Maio 29 2010, 22:10

Marvel 616 escreveu:

X-Men Destino Manifesto: Matar ou Curar



A edição comemorativa de X-Men Extra 100 traz as 5 partes da mini do Homem de Gelo em Destino Manifesto, descubra agora o desfecho da turbulenta relação de amor e ódio entre Bob Drake e Mística.

A história começa no apê de Bob, que aparentemente continua com problemas para controlar seus poderes, o aquecedor do local está no máximo e ele continua morrendo de frio. Opal,sua namorada, o aconselha a se transformar em Homem de Gelo, mas o frio só aumenta. Opal diz para Bob ligar para os X-men. Hank saberá o que fazer, porém Bob está determinado a não ter mais uma vida cheia de heroismo. Foi esta a promessa feita por ele ao topar com Opal em uma festa, porém ela insiste que ele vá aos X-Men, afinal ele tem que continuar vivo para cumprir a promessa.

Bob entra em contato com Fera e ele lhe diz que podem estar acontecendo duas coisas com ele: um reajuste espontâneo de poder, ou então é um efeito colateral do inibidor neural com o qual foi atacado pela Mística. Hank envia o Passáro Negro para buscar Bob, para ele fazer alguns exames. Durante o vôo para São Francisco, Opal e Bob conversam sobre a possibilidade de ser o inibidor neural de Mística o afetando, e subitamente a cauda do avião explode.



Bob com muito esforço consegue tampar o buraco com gelo, porém quando ele pensa estar tudo estabilizado, Opal mostra ser na verdade Mística, que atira com sua arma no agora confuso Homem de Gelo e o joga para fora do avião.



Uma semana depois, Bob encontra-se caído e inconsciente nas montanhas. Ele é achado por uma equipe de busca e levado para um hospital comunitário em Iowa. Os médicos o coinsideraram hipotérmico. Durante a noite no hospital, Bob sonha com Mística e acorda atordoado caindo da cama. A enfermeira entra no quarto e Bob ameaça congelar a mulher, dizendo que ela é na verdade Mística. Porém o médico entra na sala, e ele mostra ser na verdade a vilã.



Raven imbobiliza Bob, e aplica nele um dose mil vezes maior de neurotoxinas do inibidor neural. A polícia chega e Mística despede-de de Bob dizendo "Matar ou curar".



Agora Bob está andando de carona em um caminhão, enquanto relembra o que aconteceu no hospital: Raven batendo nos policiais, e ele recuperando os poderes. Bob se considera novinho em folha, como se tivesse feito uma troca de corpo, uma célula por vez.



Drake conta ao motorista toda a história, pensando que se ele fosse a Mística, ele teria notado uma reação diferente. Então, um policial montado em uma moto aparece ao lado de caminhão e começa a atirar. Bob joga o motorista para fora, em uma tentativa de parar o caminhão, acaba derrapando, e explodindo o veículo.



Homem de Gelo emerge dos destroços, volta a sua forma normal perante Mística, e diz que se ela quiser matá-lo, essa era a hora.Mística aperta o gatilho, porém o mecanismo da arma estava congelado e o tiro acaba não saindo. Mística então começa uma luta corpo a corpo até ser imbobilizada com gelo por Bob.



O dono do caminhão tenta atacar Bob por ele ter destruído seu veículo, e nesse meio tempo Mística transforma-se em uma versão de si mesma, só que em tamanho de criança e escapa dos construtos de gelo que a prendiam. Ela atira bombas contra Bob e o motorista, mas os segundo é salvo por Bob.



Já em São Francisco, os X-Men são chamados para resolver um possivel problema com uma bomba na Ponte da Baía. Homem de Gelo aparentava estar no local, porém aquele era Mística, e o verdadeiro Bob vai lá falar com ela.



Bob e Raven travam uma longa conversa. Mística alerta que se ela cair, desmaiar, morrer ou qualquer coisa, a bomba na ponte explode. Bob conta que sabe o que Wolverine fez com ela, que ela deve ter uns 100 anos e nunca se aproximou de ninguém, e que nem sempre as pessoas que amamos também nos amam.



Raven termina ameaçando Bob e dizendo "Mas você vai me amar. Isso eu garanto" e então ela se atira da ponte. Os X-Men fazem uma busca pelo rio mas não encontram nada. Hank pergunta para Bob se ele está bem, e ele responde "Eu tô bem melhor que ela neste exato momento".



Kinhu Heck


_________________
Jean Grey: You would die for them?
Wolverine: No, not for them. For you. For you.
avatar
leonardobento
Diretor do Instituto
Diretor do Instituto

Mensagens : 2423
Data de inscrição : 21/10/2009
Idade : 29

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: X-Men - Nº 100 (Abril/2010)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum